Professor José Afonso de Oliveira

Foi com a chegada da Modernidade, da afirmação do sistema capitalista que as fronteiras foram criadas. Para tanto, povos de mesma cultura e, preferencialmente, de mesma linguagem foram reunidos em determinados espaços tendo entre si os laços de construção de suas sociedades no tempo e, a partir daí foram constituídas as fronteiras nacionais.

Posteriormente os Estados detendo o monopólio da violência constituíram as suas forças armadas para defenderem os seus respectivos espaços em contraposição aos espaços dos outros Estados, tudo devidamente marcado por fronteiras tecnicamente marcadas e com segurança própria.

Vai daí toda uma série de exigências como sendo sistemas diplomáticos, símbolos nacionais como bandeiras e hinos, passaportes, enfim tudo o que foi utilizado como simbologia da construção das fronteiras nacionais no momento em que começavam a existir os Estados Nacionais.

Tudo era feito também para proteger sistemas econômicos próprios, nacionais, propriedades, ciência e tecnologia nascentes, mas, acima de tudo, para marcar espaços e delimitar ações do Estado.

Estados se opondo entre si, guerreando e invadindo fronteiras exigindo sistema de dominação, de entrega, enfim a ideia sempre terrível de uma dominação total e completa do planeta.

Mas as fronteiras simbolizavam também sistemas de segurança dos Estados Nacionais contra possíveis bandos de migrantes que poderiam desestabilizar sociedades, gerando um sistema complexo e anárquico. Portanto as fronteiras significavam também a ação de repelir indesejáveis que pudessem atrapalhas sociedades organizadas de forma a gerarem determinada estabilidade e harmonia entre os seus membros.

Mas para marcar tudo isso temos a noção de soberania nacional que foi tão bem defendida em Haia nos primórdios do século XX por Rui Barbosa afirmando que os Estados são soberanos independente de qualquer outra situação e que acabou prevalecendo.

É para manter essa soberania que as forças armadas são constituídas, organizadas no sentido de que o Estado Nacional possa ser mantido e a sociedade se sinta devidamente protegida.

Isso tudo gerou um crescimento enorme da riqueza, funcionou com tremenda eficiência e possibilitou que o mundo avançasse de uma forma jamais vista em toda a história da humanidade.